Divisão de Produtos de Força Honda fecha o ano com 8,4% de crescimento

A comercialização de Produtos de Força da Honda conquistou mais espaço no mercado no ano de 2017, registrando um aumento de aproximadamente 8,4% nas vendas em relação a 2016. O resultado reflete os esforços da empresa em ações comerciais, como demonstração de produtos e ativações em pontos de vendas em regiões estratégicas do País, além de uma pequena melhora no ramo da construção civil.

O segmento de motores estacionários, que inclui produção nacional na fábrica da Honda, em Manaus-AM, obteve crescimento de 15,78% . Trata-se do produto com maior representatividade comercial para a Honda Produtos de Força no Brasil, seguido pela divisão de roçadeiras.

Na análise por região, o Sul destaca-se com crescimento de 29%. Na sequência, está a região Norte, que obteve 20% de crescimento.

 

Produtos de Força Honda – números de venda e produção

Foram 29.584 unidades vendidas entre janeiro e dezembro do último ano, ante o resultado de 27.279 produtos comercializados em 2016. 

Com relação à produção, que se dá nacionalmente com motores estacionários, obteve-se um aumento de 33% em relação a 2016.

 

Produtos de Força Honda - Praticidade para os mercados de agropecuária, lazer e construção civil

Feitos para reduzir o trabalho manual dos agricultores, a Honda iniciou sua atuação no mercado de produtos de força em 1953. No Brasil, a comercialização se deu a partir de 1973 e a produção teve início em 2001, na Moto Honda da Amazônia, onde são produzidos três modelos de motores estacionários. A comercialização brasileira inclui 27 modelos de motores estacionários, e também roçadeiras, geradores, motobombas, cortadores de grama e pulverizadores costais.

Entre os diferenciais dos produtos de força Honda estão características como leveza, baixo consumo de combustível, durabilidade e versatilidade. Os motores estacionários Honda atendem a inúmeras possibilidades de utilização, tais como: karts, pequenas embarcações, máquinas para indústrias, agrícola e construção civil; enquanto as motobombas, amplamente utilizadas em áreas rurais, são indicadas para trabalhos pesados de transferência de líquidos não inflamáveis com agilidade e segurança. Já os geradores, leves, compactos e muito econômicos, se destacam ao proporcionarem energia de altíssima qualidade com praticidade e conforto para momentos de lazer ou trabalho.