Honda mantém espécies raras de árvores da Amazônia por meio de projetos de preservação ambiental

Desde o início de suas atividades produtivas no Brasil, que se deu com a chegada em Manaus no ano de 1976, a Honda contribui ativamente com medidas de proteção ao meio ambiente.

Em comemoração ao Dia da Árvore, 21 de setembro, a empresa compartilha algumas de suas iniciativas ambientais que têm contribuído para manter espécies arbóreas nativas e o reflorestamento de árvores ameaçadas de extinção.

Por acreditar que a preservação da biodiversidade, sobrevivência das espécies e manutenção dos ecossistemas são valores essenciais para a garantia do bem-estar humano e do planeta, a Honda busca estimular práticas de sustentabilidade, demonstrando que é possível conciliar o desenvolvimento socioeconômico com o respeito pelo meio ambiente e uso consciente dos recursos naturais.

 

Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN)

Para contribuir com a preservação da biodiversidade na região amazônica, a Honda se comprometeu a manter, desde 2006, uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), localizada no perímetro urbano de Manaus (AM).

Essa modalidade de conservação é parte de um compromisso voluntário em preservar a natureza e o equilíbrio do ecossistema local por meio da proteção de recursos hídricos, manejo de recursos naturais e manutenção de equilíbrios climáticos entre outras contribuições ambientais.

Considerada um fragmento florestal urbano de mata secundária, localizada as margens do Igarapé do Mindu, a reserva mantida pela Honda abriga uma grande biodiversidade de espécies da flora e da fauna amazônica em uma extensão de 16 hectares de mata, espaço que equivale a 17 campos de futebol.

Cerca de 140 espécies florestais arbóreas e diversas espécies de animais nativos são preservadas graças a essa iniciativa.

 

Projeto Agrícola

A 80 km de Manaus, no município de Rio Preto da Eva, a Honda possui uma completa estrutura para os testes de qualidade e durabilidade de suas motocicletas. De forma harmoniosa, no espaço de 1.002 hectares, a empresa também mantém um projeto de horticultura e reflorestamento de espécies nativas.

O Projeto Agrícola, inaugurado em 2003, visa o plantio de árvores frutíferas, como coco, pupunha, acerola, limão, mamão e banana, além de alface e rúcula hidropônica, que abastecem os restaurantes da fábrica e entidades que cuidam de crianças e idosos carentes.

Cerca de 80% do terreno, o equivalente a 802,38 hectares, é mantido como reserva legal, propriedade rural a ser mantida com vegetação nativa, onde são cultivadas espécies ameaçadas de extinção, como mogno, pau-rosa, ipê e andiroba.

  • Pau-Rosa

Existem três tipos de pau-rosa do sul do México até a Mata Atlântica. No entanto, a amazônica é a que apresenta a maior concentração de óleo “Linalol”, substância usada na fabricação de perfumes importados. Por isso, a espécie foi explorada incessantemente há décadas e figura na lista do IBAMA, desde 1992, como espécie com perigo de extinção.

 

Doação a entidades sociais

Grande parte dos alimentos cultivados no Projeto Agrícola são destinados à doação para entidades sociais complementando a alimentação saudável de crianças e idosos do Abrigo Moacyr Alves, a Casa Mamãe Margarida e o Grupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC).

Desde o início do projeto, mais de 142 toneladas de alimentos foram doadas para as instituições sociais de Manaus.