Encontrar uma concessionária

10 dicas de como pilotar uma moto para iniciantes

Primeiros passos

Nem todo começo tem que ser difícil: a experiência de quem sabe para aqueles que querem e precisam ficar sabendo.

10 dicas de como pilotar uma moto para iniciantes

Primeiros passos 18/05/2020

A pilotagem de moto para iniciantes é algo deve ser levado à sério. Afinal, começar fazendo errado é tudo aquilo que ninguém quer. Mas, como fazer o certo, sem ter boas dicas de pilotagem, se o próprio sistema de concessão da Carteira Nacional de Habilitação – CNH – para motociclistas no Brasil é deficiente?

Pois é, infelizmente o exame não habilita ninguém. O teórico, quando muito, mostra o significado da sinalização e as normas gerais do trânsito. Já o exame prático verifica apenas se o candidato sabe se equilibrar na moto em um circuito fechado, e executar algumas manobrinhas que até o urso de circo conseguiria fazer, sem estar realmente na rua ou com a moto em “corredor” no meio dos carros.

Abaixo, dez dicas importantes para aqueles que já conseguiram obter sua CNH, mas que querem se aprimorar na arte de pilotar uma motocicleta corretamente.

1- Treinar em local tranquilo.

Para fazer bem qualquer coisa treino é fundamental. Antes de se aventurar na selva do trânsito, escolha um local tranquilo, sem obstáculos – um estacionamento vazio ou um pátio, por exemplo –, e ganhe intimidade com sua motocicleta fazendo os exercícios abaixo.

2- Tirar a moto do cavalete, ligá-la e a sair.

Comece do começo e repita a operação número zero: destravar a moto, tirá-la do cavalete, ligar o motor e sair. Aprender a correta modulação da embreagem e do acelerador neste passo inicial vai te dar segurança quando você estiver no trânsito. Deixar a moto “apagar” numa partida é um medinho que pode ser eliminado com treino.

3- Frear certo.

A maioria das moto-escolas ensinam o errado, que o freio traseiro é o mais importante quando, na verdade, quem manda é o dianteiro. A proporção correta da força da frenagem a ser aplicada é cerca de 70% para o freio dianteiro e os 30% restantes no traseiro.

4- Frear progressivamente.

A 20 km/h faça umas poucas frenagens usando só o dianteiro e, depois, só o traseiro. O objetivo é apenas sentir o que cada um faz. Em seguida aplique o freio dianteiro e traseiro ao mesmo tempo, suavemente, respeitando a regrinha 70%-30%. Vá aumentando de maneira progressiva a intensidade da frenagem e, quando se sentir seguro, aumente a velocidade para 30 km/h, e depois a 40 km/h, sempre começando a frear de suavemente e ikr progredindo na intensidade nos comandos. Importante: motos atuais até 300cc são equipadas com sistemas CBS, no qual o pedal do freio atua também no freio dianteiro. Porém, isso não altera a regra 70%-30%, e muito menos elimina a necessidade de usar a alavanca do freio dianteiro.   

5- Redução de marchas.

O câmbio também ajuda a baixar a velocidade da moto através da redução de marchas. Comece treinando reduções de 3ª para 2ª ou 4ª para 3ª, sempre com o motor em baixa rotação e em velocidade baixa e estabilizada.  Atue com suavidade no comando de embreagem e pedal de câmbio.

5- Curvas abertas.

No exame para tirar CNH você anda em baixa velocidade, fazendo curvinhas apertadas. Na vida como ela é, o trânsito real, é preciso saber fazer curvas em velocidades mais altas, a 40 ou 50 km/h. O primeiro passo é treinar curvas leves, bem abertas, buscando corrigir a trajetória o mínimo possível,  seja com o guidão ou com o corpo. O objetivo é conseguir fazer as curvas como se a moto estivesse sobre um trilho, de modo estável e contínuo.

6- Olhar para onde quer ir.

Um grande segredo do equilíbrio pilotando motos é lançar o olhar para onde se quer ir. Por conta da tensão, é comum que iniciantes fixem a visão para o piso logo à frente da roda, o que gera desequilíbrio. Aprender a olhar para longe, e fazer isso com naturalidade, exige algum treino, mas principalmente em curvas a diferença é brutal na segurança e domínio da moto.  

7- Zigue-zague.

Moto e piloto devem formar um conjunto único e, para isso desenvolver essa habilidade, um dos melhores exercícios é o zigue-zague, as mudanças de direção em sequência. Comece em velocidade que seja natural para você, lembrando que muito devagar é difícil manter equilíbrio e muito rápido, perigoso. Alterne a direção da moto de maneira suave, usando apenas o corpo, sem forçar o guidão. Conforme ganhar confiança, aumente a rapidez e a frequência na troca de direção. 

8- Mudar de trajetória acelerando.

É o exercício da ultrapassagem. Mantenha uma velocidade constante, 40 km/h por exemplo e, de modo gradual, acelere e ao mesmo tempo e simule a ultrapassagem de um veículo a sua frente para, depois, voltar à linha anterior, desacelerando. Quando estiver seguro, evolua o exercício reduzindo uma marcha antes de começar a manobra.

9- Mudar de trajetória freando.

Ou, o exercício do desvio de obstáculo. Em velocidade constante e, progressivamente, treine desviar de um objeto imaginário (ou não, uma pequena caixa de papelão serve) enquanto freia suavemente. Aumente a velocidade e a intensidade de frenagem conforme for sentindo segurança.

10- Treine tudo isso com garupa.

Quando você estiver dominando razoavelmente as manobras acima, peça a um amigo motociclista experiente para montar em sua garupa e repita tudo isso. A ideia é perceber a diferença que o passageiro provoca na dinâmica de qualquer moto e, além disso, ouvir os conselhos de quem já superou a fase inicial da vida ao guidão. Lembre-se: ninguém nasce sabendo!